Páginas

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

JESUS, LEÃO DE JUDÁ OU URSINHO DE PELÚCIA?

Muitos, quando criança, gostam de bichinhos de pelúcia. Os pequeninos vivem felizes e contentes, arrastando por dentro de casa ou por onde forem aquele pelúcio brinquedo. Tem um enorme prazer em viver agarradinho com ele, dormir ao seu lado, brincar, etc... Porém, no processo de crescimento, o ursinho outrora amado, torna-se aos poucos obsoleto. Vai perdendo todo aquele encanto, aquele brilho de antes. Já não tem mais tanta relevância, afinal os encantos da vida são outros agora. O que antes trazia tanta satisfação pelo simples fato de estar junto, agora já torna-se até motivo de vergonha.

Outros porém, já um pouco crescidos, continuam tentando preservar as marcas e lembranças do tempo de infância e a noitinha, antes de dormir, ainda olham seu ursinho, o colocam em pé na sua cama. Mas só.
É triste constatar, mas pra muitos de nós, crentes, esse ursinho é Jesus. Ou podemos até chamar de “Leãozinho de pelúcia”. Durante um certo período vivemos a intensidade desse amor, o qual era o nosso assunto em todos os bate-papos e durante toda a semana. Vivíamos na intensidade agarrados e apegados a Ele... 

Contudo, com o passar do tempo, Ele foi-se tornando desinteressante. Até brincamos com Ele aos domingos, declaramos que Ele é nosso Leão de Judá, aquele que a quem veneramos e amamos, sem o qual não conseguimos viver... E durante a semana Ele volta para o seu lugar. Uma prateleira empoeirada, um canto qualquer do nosso coração ou da nossa vida, até o momento que sentirmos a necessidade de brincarmos com Ele um pouquinho mais.

Pensando assim, entendemos:

- Jesus não quer apaixonados: Como já dissemos em outros momentos, a paixão é um sentimento avassalador, contudo passageiro. Ao mesmo tempo em que detona tanta intensidade, o contraponto também existe: desinteresse. O que Deus espera quando o conhecemos não é que nos apaixonemos loucamente por Ele da noite pro dia. Ele espera que, ao longo da caminhada, enquanto o conhecemos, passemos a cada dia a Ama-lo mais e mais. E algo progressivo, permeado de intimidade, cumplicidade, companheirismo, parceria... Jesus quer uma relação mais profunda comigo.

- Jesus não quer parcialidade: Ou estamos com Ele, ou estamos sem Ele. Não existe meio termo. Não há como amar a Cristo, servi-lo, prega-lo ou anuncia-lo só no fim de semana. Ele quer está na sua vida de forma plena. Superficialidade não agrada a Deus.  Por isso a Bíblia diz que não há como servir a dois senhores. Não adianta mascarar uma realidade no domingo, se durante a maior parte do tempo, a realidade é outra. Precisamos servir a Deus, íntegros, inteiros, plenos. Se a glória e soberania o pertencem no céu, também o pertencem na terra. Em apocalipse, vemos a realidade esplendorosa e plena de louvor e adoração a Deus, contudo, as vezes, tenho a impressão de que esta realidade não se aplica na Terra.

Jesus não pode ser seu brinquedinho de pelúcia. Ele precisa ser, desde o momento que você o conhece, seu companheiro e amigo para a vida toda. Aquele que caminha ao seu lado, seu melhor amigo, seu confidente, seu cúmplice... Não deixe Cristo se tornar obsoleto na sua vida. 
 
Matias,pastor
 
Vi lá no: