Páginas

domingo, 7 de outubro de 2012

Coerência ao votar


Terça à noite, Meacir e eu voltávamos para casa. Moramos no Cabralzinho, e nosso caminho é a Av. Padre Júlio. É a mais amapaense de todas as ruas. Sai da orla do rio Amazonas e dá pra ir até o Oiapoque. Paramos na Rua Minas Gerais para resolver algo. Ao sairmos, passou por nós um veículo da Secretaria do Trânsito. Os dizeres na lateral davam-no da Fiscalização. 
O carro parou sobre a faixa de pedestres, e, lentamente (como é costume aqui) foi se movendo, até que ultrapassou o semáforo vermelho. Comentei: “Por isso o trânsito aqui é assim. Ninguém respeita nada”. Quando quem tem que dar o exemplo transgride as leis a coisa está feia.
Já estou velho e ainda não me conformei com este jeito brasileiro de desrespeitar leis, de ser incoerente, de fazer as coisas erradas. E depois reclamar. Hoje, dia de eleições, o povo vai às urnas para eleger as mesmas pessoas de sempre, e depois se queixará delas. Não tem senso nem valores, e torce por políticos ou partidos como se fosse futebol. É passional e lúdico, mas sem visão crítica e séria do processo eleitoral.
Agasta-me ver igrejas evangélicas em que os crentes são tratados como curral eleitoral por pastores que agem como déspotas esclarecidos. Há igrejas que apoiam políticos suspeitos de corrupção. Políticos que defendem o homossexualismo a ponto de quererem calar os discordantes, impondo-lhes a ditadura da visão única. Defendem o aborto indiscriminado (seu herói deve ser Herodes!) e a descriminalização de drogas. Seus valores morais são elásticos, e mesmo assim são adulados. Porque dão benesses à igreja. Dizia-me um pastor,  candidamente, sobre seu apoio a um candidato cristofóbico: “Ele vai defender nossos interesses!”. Interesses? Que interesses tem a igreja que Deus não possa defender? Desde quando pastores, principalmente os que falam tanto sobre o poder do Espírito Santo, precisam se vender a homens corruptos para garantir direitos à igreja?
Não imponho candidato às minhas ovelhas. Tenho percepção política, e minhas convicções são claras. Mas são minhas. Não as imponho. Meu rebanho não é minha propriedade. Mas não votem em gente que vocês desconfiam (ou sabem) que é corrupta. Não votem em gente que sustenta valores antagônicos aos do evangelho. Não votem por facilidades que o candidato prometeu lhes dar. Quem vota em troco de dentadura, terreno, emprego ou benesses pessoais é corrupto. Vendeu-se.
Os partidos políticos no Brasil não têm ideologia. É ocioso discuti-los. Mas não votem em gente desonesta nem contrária aos seus valores morais e espirituais. Em quem votar, é questão sua. Mas seja coerente e dê bom testemunho. Pense bem.

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho