Páginas

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Felicidade não é suficiente para mim!


Dona Nelya Werdan, minha mãe, me ensinou a ler aos seis anos. Dela ganhei meu primeiro
livro: “Pedrinho sozinho no mundo”. Eu o tive até meus 40 anos! Mas na minha distante infância, havia poucas opções de livros infantis. Eu esperava meu pai chegar do trabalho com quatro jornais: “O dia”, “O globo” (ainda existem), “A notícia” e “Diário da noite” (que não mais existem). Neles eu lia histórias em quadrinhos: Gabby Hayes, Pafúncio, O reizinho, Os sobrinhos do Capitão (Hans e Fritz), Popeye, Mutt e Jeff, etc. Além dos livros, minha comprava-me gibis. Flecha Ligeira, Flash Gordon, Tom Mix, Hopalong Cassidy, Cavaleiro Negro, Black Diamond, Fantasma, Mandrake, estiveram na minha infância. Peguei gosto pela leitura. Quando terminei o primário tinha lido todas as obras de Monteiro Lobato, que retirava na Biblioteca da Escola Ceará, na rua D. Emília, em Inhaúma, bairro onde fui criado, no Rio de Janeiro.
Já maduro, vez por outra leio algumas tiras em quadrinhos. Gosto do Calvin, um menino de seis anos. Se eu tivesse um filho como ele entraria em parafuso. Recebi, pela Internet, um quadro dele, no melhor estilo de alguns evangélicos, com braço erguido, e expressando-se como alguns evangélicos: “Felicidade não é suficiente para mim! Eu quero é euforia!”.
Uma amiga, cuja amizade me honra, evangelizou o homem com quem se casou. Ele se converteu. Ela, mais madura, começou a buscar uma igreja onde ele, um intelectual, se firmasse, sendo bem alimentado. Foram a uma igreja, mas ele não quis ficar porque a igreja era muito alegre. “Eu morreria de tanta alegria!”, disse ele. O ambiente era artificial, de alegria forçada (“Agora é hora de você dizer ao seu irmão que o ama!” e quejandos – que não tem a ver com queijo). A igreja deve ter sido formatada pelo “Rev. Calvin”…
O culto, para muita gente, só é bom se a pessoa tiver um transe de euforia. Ou sair suada do louvor aeróbico. E o evangelho só funciona se a pessoa for bastante feliz e ganhar muito dinheiro. A fé cristã se tornou uma filosofia hedonista, não um compromisso com Jesus Cristo, de viver sua mensagem e testemunhar dele. Os ideais de muitos cristãos são os mesmos ideais das pessoas sem Cristo: uma vida boa, tranquila e folgada, não uma vida de serviço a Jesus. Ter uma vida boa, tranquila e folgada é muito bom. Mas não é o alvo primeiro da vida de um seguidor de Jesus.
Há um equívoco, hoje, que precisa ser desfeito: Nós não somos chamados à felicidade, mas à lealdade. Quem é leal a Jesus se realiza plenamente. Há crentes com anos de membros de igreja e com uma vida cristã opaca. Nunca se renderam ao Senhor, nem lhe deram sua vida, sua personalidade, seus talentos e bens. Frequentam igreja se der. Têm vidas aguadas porque buscam felicidade (que agora não basta – é preciso euforia, transe no culto) como alvo da vida. Ignoram que felicidade é subproduto da santidade. A pessoa que se rende completamente a Deus, honrando-o na vida, é feliz. O Pr. Youcef quase foi morto por sua fé. No receituário da teologia da prosperidade, ele seria um fracassado. Para o evangelho, um homem realizado. Ele se deu todo a Jesus. Dispunha-se a morrer por ele.
Não busque felicidade. Nem euforia. Seja leal a Jesus. Seja santo. Você descobrirá que “todas as demais coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33). E verá que ser leal a Jesus e ser santo enriquece tanto que nem buscará as outras coisas. Não é de euforia que precisamos. É entrega total à obra de Deus. Aí, que venha o que vier, que não fará diferença. Estaremos realizados.
Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho