Páginas

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Instrumentos Mortais

Desde novinha (lá vai tempo nisso!) sempre gostei de ler, inclusive já foi tema de briga com meu pai, pois minha mesada, que não era lá aquelas coisas, era só para livro.

Depois que casei reduzi um pouco a leitura, recém-casada… pois é!
Aí vieram os filhos, a casa, artesanato, minha segunda paixão, e, um cansaço constante. Sempre dormir pouco, cerca de 4 h por noite, nunca, nunca de dia. Sendo assim, os livros se perderam no tempo. Até que um dia eu lembrei deles, sem filhos pequenos pra cuidar, agora só netinha pra babar, o prazer teve seu espaço outra vez.

Leio tanto livro físico, quanto digital, não importa. Tá bom… confesso, prefiro o livro físico, mas outra confissão é que quando estou lendo, pouco importa, porque o livro sempre me tira de onde estou, bem, quase sempre.

Esse ano, li livros ótimos, bons, ruins e aqueles que não teve jeito, abandonei – coisa que não gosto de fazer, mas com tanto livro para ler, ficar enrolando em um que não vale a pena, é perda de tempo.

Tenho preferência por fantasia e ficção, amo uma mentirada bem contada. Mas tenho uma veia romântica pulsante, de preferência por romance de época. Mas leio de quase tudo, mas tento evitar biografia e relatos de judeus, esse último então me leva a tristeza profunda, por isso evito.

Quero apresentar agora uma série que li no final do ano passado. Uma série teen, leve e uma gostosa distração. A autora escreve de forma leve e cria vínculos com os personagens e a leitura flui. São seis livros que dá para ler facilmente em menos de uma semana. Estou falando de Instrumentos Mortais de Cassandra Clare, que aliás o filme NÃO tem nada a ver com livro, por favor! O filme é um lixo!!!


Se optar por essa leitura, prepare-se para se apaixonar!




1 - Um mundo oculto está prestes a ser revelado... Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca, nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras. Clary sabe que deve chamar a polícia, mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece e os assassinos são invisíveis para todos, menos para ela. Tão surpresa quanto assustada, Clary aceita ouvir o que os jovens têm a dizer... Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios, os Caçadores das Sombras têm uma missão em nosso mundo, e Clary pode já estar mais envolvida na história do que gostaria.


2 - Clary Fray só queria que sua vida voltasse ao normal. Mas o que é “normal” quando você é uma Caçadora de Sombras assassina de demônios, sua mãe está em um coma magicamente induzido e você de repente descobre que criaturas como lobisomens, vampiros e fadas realmente existem? Se Clary deixasse o mundo dos Caçadores de Sombras para trás, isso significaria mais tempo com o melhor amigo, Simon, que está se tornando mais do que só isso. Mas o mundo dos Caçadores não está disposto a abrir mão de Clary — especialmente o belo e irritante Jace, que por acaso ela descobriu ser seu irmão. E a única chance de salvar a mãe dos dois parece ser encontrar o perverso ex-Caçador de Sombras Valentim, que com certeza é louco, mau... e também o pai de Clary e Jace.

Para complicar ainda mais, alguém na cidade de Nova York está matando jovens do Submundo. Será que Valentim está por trás dessas mortes? E se sim, qual é o seu objetivo? Quando o segundo dos Instrumentos Mortais, a Espada da Alma, é roubada, a aterrorizante Inquisidora chega ao Instituto para investigar — e suas suspeitas caem diretamente sobre Jace. Como Clary pode impedir os planos malignos de Valentim se Jace está disposto a trair tudo aquilo em que acredita para ajudar o pai?
Nessa sequência de tirar o fôlego da série Os Instrumentos Mortais, Cassandra Clare atrai os leitores de volta para o lado mais obscuro do submundo de Nova York, onde amar nunca é seguro e o poder se torna a mais mortal das tentações


3 - Clary está à procura de uma poção para salvar a vida de sua mãe. Para isso, ela deve viajar até a Cidade de Vidro, lar ancestral dos Caçadores de Sombras, criando um portal sozinha. Só mais uma prova de que seus poderes estão mais sofisticados a cada dia. Para Clary, o perigo que isso representa é tão ou menos assustador quanto o fato de que Jace não a quer por perto. Mas nem o fora de Jace nem estar quebrando as regras irão afastá-la de seu objetivo: encontrar Ragnor Fell, o feiticeiro que pode ajudá-la a curar a mãe



4 - A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo.


5 - Quando Jace e Clary voltam a se encontrar, Clary fica horrorizada ao descobrir que a magia do demônio Lilith ligou Jace ao perverso Sebastian, e que Jace tornou-se um servo do mal. A Clave decide destruir Sebastian, mas não há nenhuma maneira de matar um sem destruir o outro. Mas Clary e seus amigos irão tentar mesmo assim. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para salvar Jace, mas ela pode ainda confiar nele? Ou ele está realmente perdido?


6 - ERCHOMAI, Sebastian disse. Estou chegando.


Escuridão retorna ao mundo dos Caçadores de Sombras. Enquanto seu povo se estilhaça, Clary, Jace, Simon e seus amigos devem se unir para lutar com o pior Nephilim que eles já encararam: o próprio irmão de Clary. Ninguém no mundo pode detê-lo — deve a jornada deles para outro mundo ser a resposta? Vidas serão perdidas, amor será sacrificado, e o mundo mudará no sexto e último capítulo da saga Os Instrumentos Mortais.

*****************************************************************************************


Amei fazer essa leitura, apesar de ser teen. A vida não precisa se pesada nem difícil, pelo menos na leitura. E eu me dou ao luxo de ler o que quero sem me importar com a opinião dos outros.
Bjoo