Páginas

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Elantris

Livro: Elantris
Autor: Brandon Sanderson
576 páginas
3,5 estrelas

Sanderson escreve de forma clara, sem enrolação, gostei muito. A ideia eu achei excelente, mas… sempre o mas, achei que faltou algo mais (me achando agora humm). Talvez eu tenha criado muita expectativa, talvez.
O Autor vai montando todo o cenário de fora para dentro e vai amarrando 'quase' todas as pontas, uma coisinha ou outra eu não concordei, mas isso é problema meu (imagino que essa seja a fala de Sanderson para mim).
Tem romance, mais nada meloso (esse não é o foco, mas como boa romântica, fiquei torcendo), tem expectativa, surpresa, até alguma liçãozinha de moral (nas entrelinhas) e o príncipe é um príncipe!(minha deixa para suspirar ai ai) A cidade que ele criou é pura dor, achei muito criativo, agonizante. Elantris pra mim é a melhor parte, essa cidade amaldiçoada é maravilhosamente um terror, tens uns grupinhos bestas nela, nada a ver, mas, mesmo assim, é legal, ops, ruim pra caramba!! Digo, os grupinhos bestas não estragam a história, a contrário, pioram a situação para melhorar a história (ops!). Gostaria de mandar pra lá algumas pessoas (ai como sou má!).
Acho que 576 páginas foi pouco, queria mais. Quem sabe Sanderson incrementava mais, ou não! Sei não, melhor assim.

É um livro que recomendo.




Sinopse:

O príncipe Raoden, de Arelon, foi um dos tocados pela maldição que o levou a viver, ou a tentar sobreviver, em meio à loucura e maldições da cidade caída que, desde a maldição, tornara-se um cemitério para os que foram amaldiçoados. Prestes a se casar com Sarene, filha do rei de um país vizinho de Arelon – uma mulher que nem chegou a conhecer pessoalmente, mas que, mesmo com um casamento politicamente forçado, passou a conviver por meio de cartas – o príncipe é dado como morto, uma situação que parece ser irremediável, mas que precisa de explicações. E são esses mesmos esclarecimentos que Sarene procura ao chegar em Arelon e descobrir que tornara-se viúva antes mesmo de conhecer seu marido. E a partir daí começa a entender que terá que tomar conta de tudo sozinha, principalmente de um homem chamado Hrathen, um dos mais poderosos nobres, que está disposto a substituir o rei Iadon, pai de Raoden, para poder converter o país à religião Shu Dereth.

Elantris, que intercala capítulos sobre Raoden, Sarene e Hrathen, é uma obra cheia de energia e histórias fantásticas que não permite que o leitor pense em outra coisa, senão, na cidade de Elantris e suas maldições.”