Páginas

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Beleza Perdida

Livro: Beleza Perdida
Autor: Amy Harmon
Editora Verus
336 páginas
3 estrelas

Sinopse:

Ambrose Young é lindo — alto e musculoso, com cabelos que chegam aos ombros e olhos penetrantes. O tipo de beleza que poderia figurar na capa de um romance, e Fern Taylor saberia, pois devora esse tipo de livro desde os treze anos. Mas, por ele ser tão bonito, Fern nunca imaginou que poderia ter Ambrose… até tudo na vida dele mudar

Beleza perdida é a história de uma cidadezinha onde cinco jovens vão para a guerra e apenas um retorna. É uma história sobre perdas — perda coletiva, perda individual, perda da beleza, perda de vidas, perda de identidade, mas também ganhos incalculáveis. É um conto sobre o amor inabalável de uma garota por um guerreiro ferido.

Este é um livro profundo e emocionante sobre a amizade que supera a tristeza, sobre o heroísmo que desafia as definições comuns, além de uma releitura moderna de A Bela e a Fera, que nos faz descobrir que há tanto beleza quanto ferocidade em todos nós.

A história é narrada na terceira pessoa e começa “chatamente”, ahh me perdoe, mas é um blá blá blá e custa a encaixar a história de verdade. O bom é que Amy Harmon escreve direitinho e gente não cochila, mas é um texto chato, cheio de historinha picada, assuntos que não faz a menor diferença.
Depois fiquei meio confusa com o jeito de Amy Harmon escrever, ela coloca umas coisas boas, as quais esperamos, no meio de coisas chatas, que não precisavam estar ali. Não tenho paciência para lenga lenga.
Mas no meio disso tudo os personagens principais são lindos, cativantes e Bailey é o mais “amorzinho” de todos. Uma pessoa linda, totalmente amável. Fern cativa facilmente com seu amor, seus sonhos. Ambrose é um “doce”, apesar de suas dores e traumas, tem um coração bom.
O coração da gente aperta e os olhos lacrimejam nos momentos em que Ambrose lembra dos amigos, do Iraque. São momentos delicados, emocionantes.
Ri muito com a piadinha de Ambrose:
 “— Esse cara tem a chance de se casar com uma menina que é linda ou uma garota que tem uma voz maravilhosa, mas não é muito boa de se olhar. Ele pensa sobre isso e decide que vai se casar com a garota que pode cantar. Afinal, sua bela voz deve durar muito mais tempo do que o rosto bonito, certo?
Certo. — A voz de Fern parecia mais acordada, como se achasse o assunto muito interessante. —
Então o cara se casa com a garota feia. Eles têm um casamento, uma festa, e toda a diversão da noite de núpcias.
Isso é uma piada?
Ambrose continuou como se ela não tivesse o interrompido.
Na manhã seguinte, o cara se vira, vê sua noiva e grita. Sua mulher acorda e pergunta o que está errado. Ele cobre os olhos e grita: — Cante! Pelo amor de Deus, cante!”

Agora chegando no final, prepare: lenço, sorine e coração. Ahh desligue o som, se a música for sentimental, eu fiz essa besteira. Cheguei soluçar!
O final é lindo, Amy Harmon recuperou uma estrelinha.
Lá vem ressaca literária!!
Sem brincadeira, vou ficar doente de tanto me apaixonar seguidamente pelos personagens e ter que abandoná-los tão rapidamente. Tem sido um mês difícil hehehehehe…
Recomendo apesar do início chato pra caramba hehehehe… vale insistir.
Bjoo