Páginas

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

O Professor

Livro: O Professor
Autor: Tatiana Amaral
503 páginas
2 estrelas

Sinopse:
Charlotte Middleton é mimada e infantil. Uma garota rica, cheia de vontades e com um único objetivo de vida: ser uma grande escritora. Estudante prestes a se formar com honras em Letras e Literatura, ela se depara com um grande problema: O professor Alex. E então seus sonhos são despedaçados quando Alex Frankli, seu professor e orientador, resolve reprová-la no seu último semestre. O motivo? Ela não sabia descrever os sentimentos corretos para seus personagens. 

Ela só queria aprender. Ele só queria ensiná-la. 

Um jogo eletrizante onde Alex exerce a real função de professor e ensina a Charlotte a fórmula certa para cada sensação de prazer. 

Ele vai ensinar. Ela vai aprender.


Começou mal para meu gosto: marcar um encontro, na praia, para discutir com o professor porque foi reprovada? Na praia?? Depois ela chora e ele a leva para sua casa?? Pois é. E o mesmo “problema” de sempre virgindade (isso cansa, ridículo!). Agora ela vai obter experiências para escrever seu livro erótico e o professor será seu “laboratório”, essa parte é boa (comporte-se Janise, lembre-se, você é uma senhora de respeito!). Hora de sentir calor! (já falei, comporte-se!).

Sorrisos e “diversão”. Tá bom, era para continuar a fazer pouco caso, né? Pois é, mas o livro é meio erótico, já viu, homem lindo, sarado… ensinando… entende? Aprendizado é importante, então prestei atenção (hehehehehehe… Janiiiiiiise – ops!).
É divertido passear entre as narrativas, ora Charlotte, ora Alex, gosto como ele vai se perdendo. É uma coisa basiquinha nesse tipo de leitura, traz uma certa inocência que... não sei bem explicar, cativa, talvez. Uma coisa que gostei muito foram as frases de Shakespeare, caíram muito bem nos capítulos.
Eu odeio spoiler, mas… bem, na verdade não é beeem um spoiler - mas tem um momento, em um jantar em que tudo fica tenso e hilário, um momento interessante do livro. Mas o final fica bobinho, tipo “fantasia de amor”: briguinha boba por desentendimentos bestas, veneno de ex, fuga por raiva, busca desesperada… (uma baboseira) quando falta a criatividade bate, usa-se o clichê mais próximo disponível. Até achei que no desenvolvimento a história amadureceria, mas isso não aconteceu.
Tem lá seus momentos divertidos, confesso, mas é fraco.
Bem foi isso.
Bjoo