Páginas

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Todos os Nossos Ontens

Livro: Todos os Nossos Ontens
Autor: Cristin Terrill
Editora Novo Conceito
352 páginas
5 estrelas
Sinopse:

O que um governo poderia fazer se pudesse viajar no tempo?
Quem ele poderia destruir antes mesmo que houvesse alguém que se rebelasse?
Quais alianças poderiam ser quebradas antes mesmo de acontecerem?
Em um futuro não tão distante, a vida como a conhecemos se foi, junto a nossa liberdade. Bombas estão sendo lançadas por agências administradas pelo governo para que a nação perceba quão fraca é. As pessoas não podem viajar, não podem nem mesmo atravessar a rua sem serem questionadas. O que causou isso? Algo que nunca deveria ter sido tratado com irresponsabilidade: o tempo. O tempo não é linear, nem algo que continua a funcionar. Ele tem leis, e se você quebrá-las, ele apagará você; o tempo em que estava continuará a seguir em frente, como se você nunca tivesse existido e tudo vai acontecer de novo, a menos que você interfira e tente mudá-lo.







O livro já começa em um momento de tensão, sendo narrado na primeira pessoa “dos personagens”, o que a princípio parece meio estranho, mas a certa altura vem a explicação do porquê “dos personagens”. Já de início a leitura toma ritmo dado pela tensão que foi introduzida e segue assim até o final.
Neste livro os protagonistas são três. É incrível como a personalidade de Em e Marina são distintas, essa é infantil, preconceituosa e fútil, enquanto aquela é justamente o oposto. Já o Finn sempre foi lindo, no sentido de doce, bom e divertido. Agora, James sempre foi perturbado!
Com toda “confusão” que vai surgindo Cristin Terrill vai revelando fatos, pontos, para serem unidos durante toda a história, parecido com um quebra-cabeça que você só descobre que é quebra-cabeça quando recebe mais uma “peça”, é bem interessante, inteligente. E o ritmo do livro não diminui, ao contrário. A tensão aumenta e Em e Finn vão ficando cada vez mais sem saída. As coisas realmente pioram, claro. Mas o final é lindo e só então pude respirar de novo.
Fiquei apaixonada por Finn, admirei a Em, senti pena de James e amei esse livro.
Recomendo a leitura.
Até a próxima.
Bjoo