Páginas

terça-feira, 22 de março de 2016

Feita de Fumaça e Osso

Livro: Feita de Fumaça e Osso - Feita de Fumaça e Osso # 1
Autor: Laini Taylor
Editora Intrínseca
384 páginas
3 estrelas


Sinopse:
Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu. Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo. O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade? A pergunta a persegue, e o caminho até a resposta começa no olhar abrasador de um completo estranho. Um romance moderno e arrebatador, em que batalhas épicas e um amor proibido unem-se na esperança de um mundo refeito.


Apesar de ser narrada na terceira pessoa (minha preferência é na primeira), a escrita de Laini Taylor é fácil, simples, a leitura flui sem grandes problemas. Mas apesar disso ela optou por ir revelando os fatos aos poucos, no desenrolar da história, no lugar de explicar o que era o quê e para que servia. Achei cansativo. Mas a uma certa altura a gente relaxa e a leitura fica mais interessante (Ufa!).
Bom agora vem aquela hora de abrir o coração, o meu, o que na verdade não é bem o coração, mas a boca grande mesmo hehehehe… voltando… o livro ficou interessante quando apareceu o anjo, meu pai, e que anjo!!! E eu aqui com um mero mortal (Ops! Espero que ele nunca leia isso hehehehe). No entanto, não vou enganar, o anjo some e o livro volta a ser chato, isso porque Karou é chata, sem graça e se pensar bem, é burra!
As melhores partes são quando Akira, o anjo, está em cena. Tem umas cenas de ação legais, é interessante a atração entre Akira e Karou. Mas um lance de um anjo falando em “deuses de luz”, parece que não tem “o deus”, existe um harém onde um “anjão mor” faz um monte de filho para ter soldados… aí avacalhou geral hehehehehe… isso é mais a cara do “coisa ruim”. Mas a história deles é uma mitologia: as quimeras têm sua história e os anjos a deles.
É como falei, onde o anjo está a coisa melhora, falo isso agora lembrando de como Akira foi atrás de Madrigal (Karou) pela primeira vez. O cara é muito… muito… muito ANJO! Hehehehehe… um encontro de coragem louco e lindo!
No final o livro melhora bem, a história de Madrigal e Akira é bonita, bonita e triste, e não termina muito a gosto do leitor, o que faz com que a gente queira ler o segundo livro.
Bem, é isso (estou feliz em terminar! Hehehehe)
Bjoo