Páginas

sábado, 27 de agosto de 2016

Alguém Para Amar


Livro: Alguém Para Amar -  Série Sequels - Livro 3
Autor: Judith McNaught
703 páginas
5 estrelas

Sinopse:
Uma bela condessa de dezessete anos só podia estar destinada a brilhar na requintada sociedade de Londres. Mas Elizabeth Cameron era muito diferente das jovens de sua época. Órfã, havia sido criada longe dos salões londrinos e não sabia que ligações afetivas e financeiras frequentemente se entrelaçavam, em sutis arranjos de interesses. Não por acaso sua festa de debutante resultou num verdadeiro escândalo: era ingênua demais para suspeitar de intrigas, impulsiva e imatura em excesso para lidar com lan Thornton, um homem atraente, no entanto perigosamente hábil nos jogos sociais. Elizabeth apaixonou-se por ele à primeira vista e, da noite para o dia, viu todos os seus sonhos se desmancharem. A paixão que sentia foi transformada em pecado, seu amor tornado impossível. Judith McNaught descreve com impressionante vigor e emoção o romance tumultuado de Elizabeth e lan, alternando sensualidade, ternura, aventura e humor. Do riso às lágrimas, impossível não compactuar com os personagens inesquecíveis de Alguém para amar, que é, sem dúvida, um irrecusável convite ao sonho.




Um enrolado de um secretário de Ian Thornton, confunde uma das respostas de correspondências a qual se incluía uma reconsideração de pedido de casamento, mas que nem era para ele receber essa carta. Seu secretário em nome de Ian aceita a proposta de receber Elizabeth por uma semana afinal de estreitar a amizade para que ela escolha um marido entre os 3 pretendentes.
Ian e Elizabeth se conheceram quando ela foi apresentada a sociedade a 2 anos atrás, quando tinha 17 anos. Robert, seu irmão tinha planos de casá-la bem para se livrar das dívidas, e já tinha conseguido um noivado com um visconde, quando um escândalo entre Ian e Elizabeth colocou tudo a perder. Inclusive teve um duelo com Robert, irmão de Elizabeth. E depois disso eles nunca mais se viram, por isso Elizabeth não estava acreditando que Ian seria capaz de responder aquela carta.
Agora a tarefa de Elizabeth é se livrar dos pretendentes, os dois primeiros ela pensava que tinha conseguido, no terceiro, que era Ian (detalhe, Ian está noivo), ela sucumbiu de novo em seus braços(esse sucumbiu aqui, não é nada erótico). Só que como seu tio é ambicioso aceitou o pedido de um dos pretendentes que ela achou que tinha conseguido se livrar.
Ian auxiliado por seu tio, descobre que Elizabeth foi excluída, tornou-se uma pária da sociedade, por causa dele, sem contar que ele sabe que sempre gostou dela. Ele vai atrás dela para tentar corrigir o que causou. E consegue, mas “esse” conseguir é um desenrolar de acontecimentos e a gente fica torcendo por ele.
Toda história tem um segredo, né? Pelo menos quase todas. Pois é, Ian fez uma coisa e esconde de Elizabeth. Só que ela descobriu. Descobriu, foi enganada, fez a coisa errada, foi burra pra dedéo, colocou Ian em uma situação complicadíssima, ele quase foi enforcado, ela volta atrás, mas aí… aí meu amigo, “Inês é morta”. Quem disse que Ian perdoa? Hummm a situação fica feia.
Essa história não tem ex pra estragar tudo, em compensação a esposa faz pior. Não tem nada a ver com traição, bem, não deixa de ser traição. De todo jeito, Elizabeth mete os pés mãos, e estraga tudo com requinte. Mas Ian é um escocês maravilindo! Conserta o estrago dela.

Se você olhar o número de páginas vai achar que é um livro grande, mas quando você termina de ler descobre que o livro é pequeno. A história é linda, rica, bem escrita, criativa, com diálogos inteligentes, sem mimimi. Uma história de amor com um casal apaixonante. E esse é mais gostoso ainda porque podemos matar a saudade de Jordan e Alexandra , que são amigos de Elizabeth e Ian.
Só um outro comentário sobre cena de sexo: isso é um caso a parte, porque Judith McNaught é delicada, sutil, romântica e nos faz suspirar. Ela torna um momento doce e apaixonante.
Um livro lindo, amei.
Ai ai… e foi assim…
Bjoo