Páginas

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Black Rainbow


Livro: Black Rainbow
Autor: J.J. McAvoy
288 páginas
4 estrelas

Sinopse:
Depois de uma aventura erótica de uma semana com um músico que ela conhece em um bar, Thea Cunning nunca espera ver Levi Black novamente. Em seguida, segunda de manhã chega, e ela descobre que seu antigo amante não é somente o professor dela, mas ele também é um dos melhores advogados criminais no estado de Massachusetts.
Com todos da classe competindo para ser um dos doze discípulos - um grupo de doze alunos que o Professor Black leva sob sua asa - as tensões estão altas. Thea considera abandonar sua classe, dada sua semana apaixonados juntos e sua inegável química. Afinal, existem outros professores de direito (menos irritantemente sexy) no campus. Mas para atingir seu objetivo e tirar seu pai da prisão, Thea sabe que ela precisa aprender com o melhor dos melhores - e é Levi Black. Mas ela pode aprender sob o melhor, sem estar sob o melhor?




Pra mim Thea é maior vadiona. Pegar um cara em um bar, depois de encher a cara de vodka e ir para casa dele transar feito coelho, não consigo ver de outra forma. Está certo que Levi é tudo de bom, mas não justifica (ou justifica?). Tá bom, ela já estava de cara cheia, vamos relevar então.
Só que aquele Levi que Thea conheceu na cama por uma semana (uma semana foi o trato deles) não tem nada a ver com aquele que ela descobriu ser na verdade seu professor na facul. Clichezão né? Mas uma delícia. J.J. McAvoy escreve legal e a história flui, ainda mais que ela contada por Thea e Levi. Os dois têm personalidade forte. E os dois na facul é muito interessante, porque ela aceita o desafio de ser um dos 12 discípulos que o el diablo , como ele é “docemente” conhecido, de onde escolhe um para ser associado em sua empresa no final do curso. E Thea não fraca não.
Mas história de Thea e Levi não é só complicada por ele ser o professor dela. Tem muito mais coisa por trás. Ela precisa que ele seja o professor e é aí que a coisa complica mais, porque eles são um casal que combinam e há um real interesse entre eles. E não era só isso, a história da peneira para conseguir os 12 discípulos estava ficando apertada e então ela começou a fazer alianças e jogar, usando informações que sua mãe usava para obter favores. O jogo não era muito limpo. E fato de sua mãe ser uma advogada reconhecida e afamada, pesa nas costas de Thea, principalmente que ela sabe quem de fato foi sua mãe.
O motivo de Thea precisar de que Levi seja professor é que ela precisa ser uma excelente advogada, para tirar seu pai da cadeia. Mas essa história se complica ainda mais. Foi surpreendente o caminho que a autora tomou, ela fez o passado de Levi e Thea se cruzarem de alguma forma. Foi um momento tenso. Saímos daquele momento erótico do casal para uma coisa mais real, com emoção, onde a leitura se acelera. Com o direito de um baita susto no final com Thea.
Um livro que você começa, assim como eu fiz, com uma ideia totalmente errada quanto a Thea, e ela vai se revelando totalmente diferente. É um livro que vai envolvendo e se modificando. Um caso de amor com algo mais.

Um livro sem mimimi.
Gostei de Thea e Levi, eles conquistam a gente.
E foi isso.
Bjoo