Páginas

terça-feira, 6 de setembro de 2016

História de um Grande Amor

Nada a ver essa capa


Livro: História de um Grande Amor
Autor: Julia Quinn
317 páginas
3 estrelas

Sinopse:
Inglaterra Dia 2 de março de 1810:
Hoje, eu me apaixonei…
Aos dez anos de idade, Miranda Cheever não dava sinais de que fosse se transformar numa bela mulher. E mesmo com tão pouca idade, ela aprendeu a não alimentar expectativas de encontrar um grande amor... até àquela tarde em que Nigel Bevelstoke, o charmoso e atraente visconde Turner, beijou sua mão e disse que um dia ela cresceria e seria uma jovem linda e cativante, tanto quanto era simpática e inteligente. E foi nesse dia que Miranda soube que amaria aquele homem para sempre...




Tudo começou bem inocente, quando Turner fez alguns elogios a Miranda quando ela ainda era uma menina de 10 anos e ele já um rapaz de 19 anos, e o amor nasceu em seu coração (no de Miranda). Apesar de serem vizinhos eles não eram muito próximos porque ele estudava e morava longe. Viveram vidas totalmente independentes, inclusive ele se casou.
Ela manteve sempre aquele sentimento em seu coração. Agora com 20 anos, sua amiga Olívia, irmã de Turner, tenta casá-la com seu irmão gêmeo, Winston, que tem certo interesse nela. Mas agora Turner está de volta ao cenário, com a morte da biscate de sua esposa.
Sinceramente não vejo como os dois se apaixonarem, Turner não tem o menor interesse (acho ele até sem graça), mas Julia Quinn dá aquela forçada de barra. Prefiro o Winston.
Miranda revela-se nada recatada e se entrega a Turner, que safadamente senti uma atração por ela (homem é homem). Resultado = uma vez = azarada = grávida. Só que antes de descobrir que ela estava grávida ele vacila (homem vacila, não tem jeito) e só depois vai atrás dela. Mas ela perde o bebê, aí não sei se é sorte ou azar, mesmo assim ele decide casar. Só que ela não quer. Como se naquele tempo ela pudesse fazer isso! Humm. Só que ele insiste e não tem jeito, eles se casam.
E o casamento deles é perfeito, inclusive ela engravida. Mas deve ter sido os hormônios, Miranda surta. Quer de todo jeito obrigar Turner a dizer que a ama. A gente sabe que ama, mas ele é uma besta, está com medo e confuso – pra mim é só burro mesmo. Mas voltando… Miranda estraga tudo que estava perfeito (outra burra). E a coisa piora na hora do parto. Turner quase enlouquece.
Sério, esperava que fosse melhor. Não achei os personagens cativantes, nem apaixonados, mas me distrai lendo.
E foi isso.
Bjoo