Páginas

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Ligeiramente Maliciosos


Livro: Ligeiramente Maliciosos - Bedwyn #4
Autor: Mary Balogh
288 páginas
4 estrelas


Sinopse:
Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima.
Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel. A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor.
Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith.
Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?







Já vou começar reclamando, se prepara.
Ahh o livro começa do jeito que não gosto, sou romântica, gosto das coisas melosas de suspirar e esse livro no início não favoreceu. Ele começa com uma virgem fingindo ser uma atriz e que se entrega para um desconhecido, que também finge ser outra pessoa. Naquela época? Ahh para! Forçou.
Ela, Judith, estava indo para casa da tia que é rica, ela é a sobrinha pobre. Ele, lorde Rannulf Bedwyn,irmão do duque Bewcastle, está indo para casa da avó a qual lhe apresentará a moça que ela quer que ele se case. Adivinha se a pretende tem alguma coisa a ver com Judith? Não, não é a Judith, mas a é prima dela. E agora eles se encontram para surpresa dos dois.
Agora o detalhe que eu não contei é o motivo de Judith estar indo para casa de sua tia. Judith tem um irmão folgado esbanjador que endividou a família e continua a fazê-lo, por isso ela teve que ir morar de favor com a tia rica. E o cara nem se dá conta, acha que o pai é miserável, mimado sem vergonha!
E vida que Judith vive na casa da tia é um conto fada, mas calma: sua tia quer casar sua filha Julianna com Rannulf, como Judith é bonita faz ela usar roupas feias, toca para esconder o lindo cabelo ruivo e está sempre arranjando serviço para tirá-la de perto, sem contar Horace, o outro filho safado que dá em cima de Judith. Só quem gosta dela é a avó. Ahh Julianna diminui Judith toda vez que tem chance. Não parece um conto de fada? Judith só se lasca e Rannulf já percebeu isso.
Fiquei até esperando a hora da maçã hehehehehe… brincadeira.
Rannulf meio que se apavora, porque descobre umas coisas e se vê obrigado a pedi-la em casamento e ela recusa. Hummm momento mimimi.
E acontece uma série de coisas. O primo de Judith é totalmente do mal, a prima e a tia é igual as “cobras” de Cinderela (a madrasta e as filhas). Tentaram também armar para Rannulf, foi tenso, tanto esse momento quanto o momento do primo com a Judith. E depois o trio do mal arma legal para ferrar com Judith. Caramba, ela está morando em um serpentário!!! Hehehehe… O tempo fecha, mas Rannulf… ahhh Rannulf… ele pode não ser bonito, mas é um príncipe. Ele e o duque, seu irmão, deram uma virada bonita na história.
A Judith no final ainda tem tempo de um mimimi, mas não tem como resistir àquele príncipe.
É difícil esquecer o início ruim da história, mas sou fraca e acabei gostando do livro, porque é recheado de outras coisas.
E foi isso.
Bjoo.