Páginas

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Ligações Proibidas


Livro: Ligações Proibidas - Irmãos Stevens #1
Autor: Cheryl Holt
384 páginas
4,5 estrelas

Sinopse:
Abigail Weston, uma solteirona resoluta de vinte e cinco anos, está decidida a ver a irmã mais nova casada com um homem de bem. Contudo, a sua falta de experiência com o sexo oposto impede-a de apaziguar os medos da irmã em relação à noite de núpcias – a não ser que se atreva a dar um passo arriscado de forma a aprender o que a intimidade entre um homem e uma mulher implica. No entanto, o único homem em Londres qualificado para a ensinar fá-la desejar algo que ela nunca esperou: experimentar todos os prazeres por si própria…
James Stevens – rico, imoral e tremendamente aborrecido com a sociedade londrina – acredita que nada é capaz de chocá-lo. Embora o pedido de Abigail, a explicação verbal dos prazeres da carne, seja um pouco surpreendente, o que o espanta realmente é a sua reacção poderosa em relação à inocência e beleza dela. Um romance entre ambos pode trazer grandes êtases carnais, mas qualquer coisa mais arruinaria para sempre Abigail. Pela primeira vez na vida, James suspeita que a mera intimidade física nada é quanto comparada ao amor verdadeiro...





Ainda estou no início, mas não podia deixar para depois e esquecer desse comentário, que já adianto, não é maldoso, sério: mas Meg Cabot deveria ter escrito Aprendendo a Seduzir  depois de ter lido esse livro. James Stevens é um professor mais competente que Braden Granville hehehehe… ai deu calor!
Abigail tornou-se uma solteirona de 25 anos, apesar de muito bonita, para cuidar de sua irmã, Caroline, que irá debutar agora, com 17 anos. E como Caroline anda a fazer perguntas sobre as núpcias, Abigail se vê em maus lençóis, porque não teve ninguém para orientá-la. E sobre o que sua mãe lhe contou, antes ainda de falecer, não a convenceu, devido algumas coisas que ela ouviu “atrás das portas”.
E assim ela reúne toda coragem existente e vai a procura de James Stevens, que por comentários soube que era um amante famoso por seus “feitos”, e pede orientações, mas com pagamento e tudo. E não é que ele topa!
E eu aqui fico só rindo das aulas, dos calores dela, dos pensamentos dele… são aulas de teoria com ilustrações, bem interessantes.
Só que James já tinha tido experiências nada agradáveis no passado, e ele deixou claro para lady Abigail que de forma alguma eles ficariam juntos:

...criado com prostitutas e atrizes. Na maioridade ocupara-se a desfrutar do submundo da boa sociedade, apreciando os divertimentos e a libertinagem que esta tinha para oferecer. Até o emprego condizia com o seu estilo de vida. Dormia durante o dia e trabalhava à noite, chegando à casa de jogos ao pôr do Sol, quando o pior lado de Londres conquistava as ruas. Bebia e convivia com jogadores e bêbados...”


Acontece que não demorou muito e os dois se apaixonaram. Tudo muito bem, gostoso, tranquilo… só que… pois é, imagine você, Abigail vacila feio com James em público. E para “melhorar” a situação - aparece uma ex amante de James. Esse negócio de ex é dose, isso é coisa do demo! Ela expõe o relacionamento de James e Abigail, e o estrago está feito.
E para piorar, porque sempre piora – a irmã Abigail foi afetada pelo escândalo. E mais, o irmão de Abigail a expulsou de casa e iria casá-la com quem ele bem entendesse, porque James não a quis pedir em casamento. Tenso, bem tenso a situação. Agora no final acontece umas reviravoltas e as coisas se encaixam com ajuda de uma pessoa que eu nunca pensaria.
Olha, me surpreendeu esse livro. A escrita de Cheryl Holt é uma delícia. Ela é simples, clara, objetiva e envolvente. Flui muito bem. Não é um livro fácil de largar.
Se você parar para pensar bem a premissa, o argumento, é coisa bem tola, mas a forma como ela desenvolveu o tema foi envolvente e divertido (não no sentido de engraçado, mas de prazeroso). E como leitura serve também para o prazer, aí está uma excelente dica. E por falar em prazer, tem umas cenas mais… digamos, “intensas”. Não é um livro juvenil, mas não chega a ser hot. Nada vulgar, em absoluto.
E foi assim.
Bjoo.