Páginas

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Prazeres Proibidos


Livro: Prazeres Proibidos - Guilty #1/4
Autor: Laura Lee Guhrke
320 páginas
4 estrelas

Apesar do título não tem nada de erótico.

Sinopse:
Para a delicada e tímida Daphne Wade, o mais apetecível prazer proibido é observar discretamente o seu patrão, o duque de Tremore, enquanto este trabalha numa escavação na sua herdade. Daphne foi contratada para restaurar os tesouros de valor incalculável que Anthony tem estado a desenterrar, mas não é fácil para uma mulher concentrar-se no seu trabalho quando o seu atraente patrão está sempre em tronco nu. Apesar dele não reparar nela, quem a pode censurar por, mesmo assim, se ter apaixonado por ele?
Quando a irmã de Anthony, Viola, decide transformar esta jovem e simples mulher de óculos dourados numa provocante beldade, ele declara a tarefa impossível. Daphne fica arrasada quando sabe mas está determinada a provar que ele está errado. Agora, uma vigorosa e cativante Daphne sai da sua concha e o feitiço vira-se contra o feiticeiro. Será que Anthony conseguirá perceber que a mulher dos seus sonhos esteve sempre ali?





Depois de ler 300 romances praticamente seguidos, fica difícil dizer que não tem nada clichê no próximo. Esse tem um pouco de clichê, mas a forma como Laura Lee Guhrke desenvolveu a história o clichê ficou camuflado e a história realmente se tornou muito boa, apesar de ter sido escrito na terceira pessoa. Apesar, porque eu prefiro primeira pessoa, só por isso.
Daphne trabalha para o duque Tremore, o Anthony, já a 5 meses como restauradora. E a fim de agradar e encantar o duque, ela trabalha feito uma máquina e está sempre disposta a obedecer, isso porque ela está apaixonada por ele, que nunca, nunquinha reparou nela, a não ser que ela é eficiente. E ela sonha com ele, até que um dia ela escuta sem querer uma conversa dele com a irmã:

“—Encantadora? Com esse coque horrível que sempre usa e essas roupas costumeiras, a menina é tão atraente como um inseto em cima de uma folha. É como uma peça da mobília. Duvido que algum homem se desse conta de que ela existe mesmo que estivesse debaixo de seus narizes; e mesmo assim se esqueceriam dela no mesmo instante em que desaparecesse das vista deles. Eu sei por que isso acontece comigo.” - Duque Tremore sobre Daphne.


E assim ela ficou arrasada e seu coração se transformou.
Agora um comentário extra: essa sinopse não é muito verdadeira, porque Viola, a irmã do duque, não teve nada a ver com a transformação de Dapnhe e na verdade não teve grandes transformações. Mas depois que ela ouviu essa conversa ela caiu em si e descobriu que o sonho dela era bobo e impossível. Assim ela aceitou o convite de Viola para ir para Londres ser apresentada a sociedade e conseguir um casamento.
O duque que é uma arrogância só, não queria de jeito nenhum que ela fosse, pois o trabalho dela era imprescindível nas escavações e abertura do museu. Até aquele dia ela era totalmente submissa em silêncio, mas ela estava determinada a pedir demissão e ir embora. Com isso ele foi trocando favores em troca de dias a mais de serviço.
Quando o duque começou a reparar que Daphne tinha voz, personalidade e corpo, a coisa começou a virar. Aí, quem não queria mais era ela. E o duque sapecou para conquistá-la.
Mas é muito gostoso a transformação do duque e sua conquista. Daphne é de opinião e é inteligente, talvez no final ela tenha exagerado um pouco, sei lá! Pode ser que ele tenha merecido. Só sei que a gente torce para duque conquistá-la.
Um romance onde o impossível dá uma virada, quem queria não quer mais e vice-versa. O jogo da conquista encanta. Onde quem não tinha voz fala mais alto e a arrogância cai de quatro. Onde o amor desfaz o impossível. Um livro sem mimimi.
Amei ler.
E foi isso.
Bjoo.