Páginas

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Para Sua Conveniência


20/200
Livro: Para Sua Conveniência
Autor: Katherine York
174 páginas
3 estrelas

Sinopse:
Casamento de conveniência? 
Charlie Smith e Nate O’Connell não se davam bem e foram obrigados a entrar em um negócio juntos: um casamento. 
Nate e Charlie se conhecem há uma década e não voltaram a se falar depois de todo esse tempo. Nos últimos dez anos, ele se tornou um empresário bem-sucedido, e ela, uma cientista de sucesso. Depois da morte de uma pessoa importante para os dois, eles se reúnem e descobrem que o testamento tem uma cláusula que precisam cumprir: casar e conviver durante um ano. 
Agora Nate precisa aprender a perdoar o passado e dar uma chance para o futuro, e Charlie precisa perder o medo de se comprometer e dar uma chance ao amor.





Tinha tudo para ser um romance 5 estrelinhas, mas Katherine York não se esforçou muito, publicou só o rascunho da história.
Apesar de ser clichê, teve suas novidades no meio do argumento proposto pela autora.
Charlie tinha uma mãe que não valia nada e a arrastava de relacionamento em relacionamento, até que se casou com Robert. Mas tudo o que ela queria era gastar a grana dele. Até que um dia Robert se cansou e pôs fim ao relacionamento, mas quis ficar com Charlie, para sorte dela. No entanto, Robert tinha um sobrinho, o Nate, que criava como filho, porque tinha perdido seus pais. Nate nessa época estava com 20 anos e frequentava a faculdade e Charlie tinha 15 anos e era uma geniozinha, já estava entrando na faculdade. Isso com ajuda de Robert que passou a tê-la como filha.
Nate a princípio gostou de Charlie e se recriminava por causa da diferença de idade e para Charlie ele foi o primeiro amor. Só que com as brigas entre a mãe de Charlie e seu tio Robert, Nate foi ficando com raiva, piorou quando a mãe de Charlie deu em cima dele. Por isso ele passou a achar que Charlie era igual a mãe.
Robert com a intenção de não causar problemas maiores fazia de tudo para que eles não se encontrassem, o que ficou mais fácil porque Charlie também foi para faculdade. E Robert sabia que os dois se gostavam. E assim se passaram 10 anos. E eles voltaram a se encontrar com a morte de Robert. Aí que a história começa de verdade.
A questão do casamento foi bem amarradinha pela autora. Mas faltou trabalhar nos personagens secundários, o intervalo desses 10 anos, a descoberta do pai da Charlie, na ex do Nate, o acidente de Nate e como foi que eles conseguiram ficar 10 anos sem se encontrar. Tudo isso foi pincelado. É como eu disse, esse livro é o rascunho. Um livro de 174 páginas, mas que merecia umas 400 páginas fácil, fácil. Ainda mais que a escrita da autora flui muito bem e sendo na primeira pessoa, alternando entre Charlie e Nate, torna a leitura dinâmica e atraente.
Mesmo assim eu gostei e recomendo para quem quer uma leitura rápida, leve e descontraída. Gostei do Nate, da Charlie, da Violet, a amiga louca da Charlie e queria conhecer melhor o Brian, amigo de Nate que ficou com Violet. E gostei do Robert que foi um amorzinho e odiei a vadia da mãe de Charlie.
E foi isso aí!

Bjoo.