Páginas

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Procuro as Palavras

Uma pausa nos livros. Na verdade não fiz pausa. Estou em um desafio a mim mesma: um mês de romance de banca.
Enquanto não posto minhas leituras deixo aqui minha “escrivinhação”: Procuro as Palavras



Procuro as Palavras

Quero voltar pelo caminho em busca das palavras. Sei que elas estão lá em algum lugar. Vou falar, pensar, lembrar todas as palavras, quem sabe inventar algumas. Sim, talvez algumas tenham sido inventadas, criadas. Quem sabe? As palavras existem, estão lá em algum lugar. Preciso encontrá-las.
Vou percorrer todo caminho de volta procurando as palavras. As que fizeram você esquecer do seu amor por mim. Sim, esquecer. Porque o amor não é flor, não morre, não acaba. Você me deu seu coração e eu dei o meu a você. Você é meu e eu sou sua e sempre será assim, não importam as palavras enganosas, palavras contrárias, essas são mentirosas. As palavras não são mais fortes que o amor, que a aliança.
Quero encontrar as palavras que me machucaram, que machucaram você. Quero apagar todas elas. Essas palavras são mentiras. Existe algo mais forte que o amor? Não, não existe nada mais forte que o amor. Nem a morte. A gente continua amando, não importa a morte.
Preciso encontrar as palavras. As mesmas que estão mentindo pra você dizendo que acabou. São palavras tolas. Palavras que estão cegando sua razão. Tenho que encontrar as palavras que recolheram sua mão, afastaram seus lábios, separaram seu corpo. Preciso encontrar as palavras e apagá-las. Para poder voltar a sentir sua mão em mim, seus lábios nos meus, seu corpo sobre meu.
Quero as palavras que nos uniram, que nos fizeram um. As palavras que deram novo sentido a minha vida, o sentido certo. As palavras que me fizeram sentir segura, protegida, aquecida, amada. Ah sim, amada. As palavras que juntos fizemos novas vidas. As palavras que fizeram meu coração palpitar, meus pelos eriçarem, minha respiração aprofundar, minha mente vagar, meus olhos brilharem. Mas essas não são para mim, mas para você. Eu ainda tenho essas palavras comigo quando penso em você, quando estou com você.
Onde estão estas palavras? Você as escondeu? Preciso das palavras, preciso apagá-las. Não quero morrer sufocada com palavras erradas. Ainda tenho as minhas palavras para você. As carrego comigo todos os dias. Elas têm me mantido com vida, com esperança. Quero usar minhas palavras como lanterna para encontrar as suas, quem sabe elas estão no escuro? Suas palavras estão perdidas.
Vou usar minhas palavras na esperança de elas atraiam as suas como um ímã:
Eu amo você, eu amo você, eu amo você.