Páginas

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Um Doce Amanhecer


58/200
Livro: Um Doce Amanhecer

Autor: Kerry Allyne

120 páginas
2 estrelas


Sinopse:
Nicole deitou-se de mansinho, com receio de acordar a irmã. E chorou por muito tempo antes de cair na doce paz do sono, esquecendo que o noivo a havia abandonado naquela noite. Mas então sonhou com braços fortes que a envolviam e lábios ardentes que a beijavam, ansiosos. Quando a manhã chegou, abriu os olhos lentamente, sentindo ainda o calor daquele corpo forte. E descobriu que não havia sonhado. No lugar da irmã estava um homem completamente desconhecido! 





Um “romancinho” tosco.
O namorado de Nicole veio buscá-la em casa para ir em sua casa em uma comemoração: o anúncio do casamento dele com outra.
Já senti vontade de falar meia dúzia de impropérios. Como assim?
Tudo bem, vamos continuar.
Ela vai para casa acabada, mas não faz nada em relação ele, eu dava na cara daquele safado! Não ficava um fio de cabelo na cabeça dele, sem contar as mordidas!
Pois bem, continuando…
Ela chega em casa tudo escuro, e, para não acordar a irmã (elas dormem juntas em uma cama de casal, coisa temporária), ela se troca e se deita ao lado da irmã e se põe a chorar baixinho. Só que quem está na cama não é a irmã, é o chefe do pai dela.
Depois disso é muito mimimi, mal entendido bobo. O amor dela pelo ex namorado safado sumiu em um piscar de olhos. Aí rola umas paradas chatas pra preencher páginas. Mas o que me irrita mesmo é o final. O vocabulário deles muda da água para o vinho, melhor, se transforma em um vocabulário de abobados.
Apesar de a escrita fluir bem, a autora não foi feliz em desenvolver seu argumento, ficou muito infantil e os personagens ficaram sem personalidade.
E foi isso aí.
Bjoo.