Páginas

domingo, 5 de março de 2017

Desintegrados – Fragmentados #2


89/200
Livro: Desintegrados – Fragmentados #2
Autor: Neal Shusterman
416 páginas
5 estrelas


Sinopse:
A Fragmentação tornou-se um grande negócio com poderosos interesses políticos e corporativos em jogo. O governo não quer apenas continuar com ela, como também expandi-la.
Cam foi feito inteiramente com as melhores partes de fragmentados e, tecnicamente, ele é um garoto que não existe. Um verdadeiro Frankstein do futuro, que luta para encontrar sua identidade e se questiona se um ser como ele pode ter alma.
Quando as ações de um sádico caçador de recompensas ameaçam a causa de Connor, Lev e Risa, o destino de um deles é ligado ao de Cam.
A aguardada sequência de Fragmentados desafia a suposição de onde começa e termina a vida e o que realmente significa viver.



Amo a escrita de Neal Shusterman e como ele “montou” a história. A forma como ele vai dando perspectiva a cada personagem e desenvolvendo a história, montando o quebra-cabeça. Dando ao leitor a capacidade de acompanhar e entender todos os acontecimentos.
Nesse segundo livro, toda a agonia continua. A fragmentação dos adolescentes continua a pleno vapor e as fugas também.
Agora Connor está no comando do “Cemitério”, o local onde os fragmentários se refugiam. Além dele ter que administrar o local, ainda tem os problemas locais, traição, seu relacionamento com Risa e a iminente invasão.
Lev como ex dizimista é praticamente adorado por outros ex dizimistas, o que o incomoda muito e coisa piora quando ele conhece Miracolina, uma dizimista fanática.
Risa é levada a trair Connor. E agora ela é a paixão de Cam, o adolescente criado de muitos fragmentários.
Para piorar, como se tudo já não estive ruim, Nelson descobre que Connor está vivo e não mede esforços para pegá-lo.
E a história não termina agora, ainda tem um terceiro livro, para meu desespero e me sentir fragmentada.
Uma história de ficção terrivelmente boa. De deixar o coração apertado e a mente trabalhando com a curiosidade de saber o que o doido o autor vai inventar para salvar todo mundo. Tem que salvar né?
E foi assim.
Bjoo.

Um deixa:
Fragmentação: Este é o processo pelo qual um indivíduo é desmantelado. Por lei, 99,44% de uma pessoa devem ser mantidos vivos e usados em transplantes
Estado dividido: Quando uma pessoa é fragmentada, já que praticamente a totalidade dela continua viva, ela não é considerada morta, mas viva nesse estado.
Cemitério: Este santuário secreto (não tão secreto) para fragmentários desertores é um imenso cemitério de aviões no deserto do Arizona.
Ordem de fragmentação: A segunda guerra civil americana — também conhecida como Guerra de Heartland —terminou quando os exércitos Pró-Vida e Pró-Escolha chegaram a um acordo que tornava a vida inviolável desde a concepção até a idade de treze anos, mas permitia o “aborto retroativo” de adolescentes problemáticos.
Lev: Este “dízimo” (voluntário para ser fragmentado, tem cunho religioso) tornou-se um batedor que nunca bateu palmas (ao bater palmas eles explodiam) e, ao agir dessa forma, deu um rosto ao movimento da resistência.